título

Translate this Page
Enquete
Você gostou do site?
Sim
Não
Ver Resultados

Rating: 2.7/5 (967 votos)




ONLINE
2





Partilhe este Site...



Deus é bom, perfeito e justo - é um conceito comum para todos aqueles que creem na existência no ser do criador supremo.

“Então, por que o mundo dos homens tem tanta ruindade, é imperfeito e injusto?” A esta pergunta, provavelmente, os sábios religiosos diriam que Deus é bom, mas nos deu o livre arbítrio e por esta razão somos imperfeitos.

Onde está a justiça de Deus? Por que uma pessoa boa pode morrer tão cedo e outra pessoa, tão ruim, vive por muito tempo? Por que uma inocente criança nasce com deficiência física ou mental, enquanto outras têm saúde perfeita ou uma inteligência maior? Como se explica o motivo de uma criança nascer numa família pobre, sem educação, e outras, numa família rica e bem estruturada em todos os sentidos? Como explicar a diferença desde a nascença entre duas crianças? Um filho precisaria fugir de casa porque tem uma mãe prostituta e um pai violento para viver na rua pedindo esmola ou roubando? E qual a diferença com outras crianças que podem receber carinho e educação adequada de pais cuja mãe é professora universitária e o pai é médico.

Nós observamos inúmeros casos semelhantes a estes na realidade da sociedade brasileira. Como os destinos dos homens podem ser tão diferentes um dos outros, se pela justiça de Deus todos deveríamos ser iguais?

Todos os seres humanos, sem exceção, têm pais biológicos. Acredito que a reprodução humana existe como uma forma de compreender e reconhecer a intenção e o sentimento de Deus, cujo amor a todos os seus filhos é ilimitado. Na Escritura Divina, Ofudessaki, temos:

Tal como os humanos pensam nos filhos, preocupo-me também com o caminho temeroso e perigoso. Ofu. VII-9

Os pais, na criação dos filhos, com certeza, têm o máximo cuidado. A primeira e ideal alimentação para bebê é o leite materno. É uma alimentação perfeita, nutritiva e imunologicamente, além de ter o melhor sabor para o paladar do bebê. Um pedaço de picanha bovina pode ser uma comida muito saborosa para um adulto, mas é péssimo para o bebê. Também, a roupa de um bebê não serve para um adulto e o inverso não tem qualquer utilidade ao bebê. Assim, a alimentação ou a vestimenta justa para um bebê tem qualidades e tamanhos diferentes da de um adulto. Em todos os sentidos, a realidade ideal e justa para um bebê é diferente da realidade ideal e justa de um adulto.

A “justiça” de Deus é sempre diferente de pessoa para pessoa - não é igual. Por este motivo, todos os seres humanos têm crescimento espiritual diferente um do outro. As realidades que Deus apresenta para cada um de nós são diferentes, variam conforme a qualidade e o tamanho espiritual de cada um.

Na Escritura Divina ainda consta:

Mesmo entre pais e filhos, marido e mulher ou entre irmãos, os espíritos são diferentes um do outro.  Ofu. V-8

Hoje, a expectativa média de vida de uma pessoa está se aproximando dos 80 anos de idade. Se medirmos as realidades deste mundo com a régua de uma pessoa que viveu 80 ou 100 anos, poderemos encontrar muitas ruindades, imperfeições e injustiças neste mundo. E ao medir as realidades deste mundo com a pequena régua dos homens, realmente, não encontramos  respostas aos questionamentos dos parágrafos iniciais e fica difícil também compreender a grandeza do amor, da perfeição e da justiça de Deus. Talvez nunca as entendamos.

Entretanto, ao percebermos a grandeza e o trabalho divino, as coisas que antes não compreendíamos, começam a ter sentidos mais nítidos... Na verdade, aquela ruindade era só uma parcela de uma bondade maior. Ou seja, aquelas imperfeições ou injustiças são parcelas que fazem parte do estado de perfeição. Todos nós sempre recebemos de Deus a realidade perfeitamente justa e cheia de amor divino.

Deus-Parens, o criador, tomou o corpo da Nossa-Mãe, Oyassama, e, durante 50 anos, detalhadamente, revelou os ensinamentos à humanidade de como superar suas más causalidades (carmas) e atingir à vida plena de alegria e felicidade.


TENRI = RAZÃO DA NATUREZA



TENRIKYO MANAUS

 

O Equilibrio da vida é uma grande justeza de Deus-Parens na qual ninguém pode negar. Entretanto, quando um fato negativo ocorre, normalmente reagirmos de modo a contrariá-lo e, conforme a situação acabamos nos revoltando. 

Esta reação ao mesmo tempo que é natural do ser humano, é também uma atitude injusta, que faz com que compliquemos ainda mais a nossa vida presente. Ao contrário disso se algo positivo ocorre reagimos com satisfação e contentamento que é também um comportamento natural do ser humano.

Portanto o que significa ter verdadeiramente fé? será que é somente quando algo de bom acontece e conseguimos aceitar? ou quando algo que acontece contra à vontade e regeitamos? Temos uma fé sincera ou uma fé baseada na própria conveniência?

Não seria injusto de nossa parte acreditar na justeza de Deus somente nos momentos felizes de nossas vidas?

Para termos a resposta e garantir o equilíbrio da vida, cabe a nós mesmos buscar o caminho através da força do espírito, pois acredito que todos nós temos o direito de sermos felizes, não é mesmo?

 

 

Como conhecer a si próprio

 

Com aproximando do grande nó da comemoração dos 60 anos de fundação da Sede Missionária da Tenrikyo do Brasil, acredita-se que Deus-Parens espera, ao mesmo tempo, a evolução espiritual de todos. Entretanto, para que haja a evolução espiritual é preciso compreender muito sobre o ensinamento.

Nos Hinos Sagrados temos o seguinte verso:

Por mais que venham a crer, não devem ter erros espirituais.

                               HS VI-7

E ainda:

Apesar de tudo, devem continuar crendo, recomeçar, se tiverem erros espirituais.                       HS VI-8

Todos os seres humanos nascem e crescem com uma formação espiritual. Esta formação espiritual é o conjunto de predestinações, hábitos e merecimentos, positivos ou negativos. É algo da prática do livre arbítrio (semeadura) e que vem das vidas anteriores para a vida presente.

Para muitos seguidores da Tenrikyo essa é a parte difícil de entender e interpretar corretamente. Para lutar com estas três estruturas espirituais negativas, é preciso partir para a dedicação à salvação do próximo. Isto é a única solução para a evolução humana.

Se acreditarmos que a razão da semeadura e colheita trabalha licitamente e em pleno equilíbrio, podemos compreender que o uso do espírito (semeadura) equilibrado pela razão, construiu, constrói e irá construir a vida de cada um. Assim, para que possamos ter um futuro com as três estruturas positivas, é necessário e indispensável muita força de vontade de estudar e praticar o ensinamento correta e humildemente.

Na terceira estrofe do hino sagrado VI há o seguinte:

O íntimo de todos os corações do mundo reflete-se em mim como num espelho.

As três estruturas funcionam inconscientemente e normalmente são imperceptíveis. Daí a dificuldade de se reconhecer os erros. Porém, conforme escrito no hino sagrado, a representação que se cria dentro de si é projetado ao próximo, refletindo-se como um espelho, positiva ou negativamente; querendo ou não. É desta forma que enxergamos no próximo o nosso íntimo. E, a partir da representação que o outro traz e a sua reação diante da mesma, criam-se novas interpretações e ampliam-se os conhecimentos e opiniões.

Toda representação que é vista e que cria mudanças no espírito, com certeza, é objeto daquele que a projetou. Este processo acontece automaticamente e sem a mínima percepção. Portanto, é necessário ficar atento às pequenas reações no dia a dia.

Pelo hábito humano, as representações que resultam em reações positivas e satisfatórias, são bem aceitas. Porém, aquelas que traduzem em reações negativas, como por exemplo, a mágoa, a insatisfação e a raiva, não são bem aceitas. Normalmente o ser humano nega aquilo que enxerga como negativo ou defeito em outra pessoa. Sendo assim, se são as nossas representações e imagens que se refletem no mundo como espelho, não devemos sair  julgando, cobrando, criticando ou brigando com os outros. Devemos reportar-nos a nós mesmos.

As tragédias da vida são as colheitas do uso do espírito (semeadura) criado por si próprio - apontamos para o outro e esquecemos de apontar para si próprio.

Nos Hinos Sagrados temos:

O sofrimento vem do seu próprio espírito, devem ter rancor de si mesmos.           HS X-7

Se nos convencermos desta estrutura da razão, poderemos mudar gradativamente as predestinações negativas para positivas e atingiremos a evolução espiritual que tanto Deus-Parens deseja.

A oportunidade para todos está se aproximando e esta é a época oportuna de confirmarmos que a salvação do próximo é o único meio evoluir, amadurecer e conseguir a salvação própria.

*Paulo Tadataka Otonari, é Condutor da Igreja de Manaus

 

 

A FAMÍLIA

 

 

 

Uma família não se formar por acaso. As pessoas se unem por uma força interna, ou seja, pela predestinação. Tanto as relações sociais como as familiares, se unem ou por possuírem as mesmas sementes ou por terem diferentes sementes. Antes mesmo de nascermos não podemos escolher os nossos pais, tios, avós, irmãos, ambiente entre outros aspectos. Portanto, já que não há escolha, o que pré determina é somente as semeaduras plantadas em vidas passadas, ou seja, a predestinação que cada um carrega.

 

O ensinamento explica que é na família onde estão as pessoas certas para se conseguir o objetivo da vida plena de alegria e felicidade. Porque, é ensinado que o mundo é como um espelho, tudo é reflexo da nossa conduta espiritual. E o espelho mais nítido está no ambiente familiar.

 

 

 

O íntimo de todos os corações do mundo

 

Reflete-se em mim como num espelho.

 

                                                                  HS. VI-3

 

Tudo que é visto no outro, seja qualidades ou defeitos, são reflexos de nosso íntimo. O que nós escutamos e os envolvimentos tanto humano e ambiental, também estão relacionados com as nossas sementes. Projetamos tudo no outro como uma maneira de enxergamos o que foi plantado. Assim sendo, não existirá como culpar alguém ou algo, pois, se tudo sai de nós mesmo o único culpado somos nós.

 

É através da permissão da proteção divina ou razão da natureza no qual tudo acontece. Por temos os corpos emprestados, por conseguinte somos vivificados por uma força divina e guiados por ela. Apesar de dizermos, por exemplo "eu decido", "eu faço", ou "eu produzi", e pensar que esse "eu" pode determinar as minhas ações, permitimos estarmos sendo enganados pelo nosso próprio egocentrismo. O homem não vive só, ele é vivificado, isto é, está a todo tempo sendo condicionado pela razão divina (NISHIYAMA, 1975).

 

Mesmo querendo ou não querendo, as pessoas são continuamente destinadas a receber as coisas que são concedidas e permitidas a usufruir de acordo com a vontade divina, pois, não é só o corpo que um empréstimo, mas tudo que existe no universo começando com a vida e todas as demais coisas indispensáveis para vida, como o alimento, a moradia, o vestuário, os objetos, a sabedoria e também o sentimentos dos outros, sem falar dos próprios pais, dos irmãos, do marido ou da mulher, dos filhos, etc. A profissão e o emprego também vêm a fazer parte dessas concessões.

 

A criança cresce sob o processo de proteção segundo o espírito dos pais. Aqui pode-se compreender a importância e a limitação da educação e instrução dadas posteriormente. A educação e a instrução desempenham o papel do amanho e adubagem sobre a semente, isto é, o caráter da criança. Nesse caso, nada adiantaria explicar insistentemente com palavras se as atitudes da vida cotidiana dos pais foram relaxadas. As crianças não são influenciadas pelas palavras dos pais, mas profundamente pelo espírito e atitudes da vida cotidiana deles, que são a causa original que desenvolve o seu caráter (NISHIYAMA, 1975).

 

Os filhos tornam-se com o passar do tempo personalidades independentes dos pais. Há o seguinte a respeito do período determinado das responsabilidades educativas dos pais sobre os filhos. "Expliquei que um menor, um menor, até os quinze anos de idade é protegido de acordo com os espíritos dos pais. Acima dos quinze anos é de acordo com o espírito de cada um" (OSSASHIZU, 1888, p. 62).   

 

De conformidade com essas palavras, a influência dos pais sobre a formação da personalidade dos filhos até os quinze anos de idade é enorme. Após, o problema será dos próprios filhos. O período da proteção segundo o espírito dos pais, até os quinze anos de idade, incluem-se as doenças, transviamentos, etc. dos filhos. Na Tenrikyo considera as doenças das crianças como a revelação dos maus usos espirituais dos genitores (MOROI, 1974).

 

 

 

 

2017 O ANO DA

NOVA PARTIDA 

 

 

 

 

 

 

Aula de Língua Japonesa

Todos os domingos 

14h ~16h

Contato: 98841-8298

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

- A tenrikyo visa o mundo de vida plena de alegria e felicidade, através da salvação mútua.

- Sem a salvação mútua não existirá felicidade.